• Mail pessoal:

    MSN: tcasaleiro@hotmail.com GERAL: tcasaleiro@gmail.com
  • Janela através das letras… (livro na cabeceira)

    Livros académicos de pouco interesse...
  • Janela dos Livros L’Idos

    Era bom que trocássemos umas ideias sobre o assunto - Mário de Carvalho

    O nome da Rosa - Umberto Eco

    Os filhos da meia noite - Salman Rushdie

    Manhã Submersa - Virgílio Ferreira

    Clara Pinto Correia - Os Mensageiros Secundários

    Jean François-Steiner - Treblinka

    José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis

    Muhammad Yunus - Criar um mundo sem pobreza

    Arundhati Roy - O Deus das pequenas coisas

    George Orwell - 1984

    Primo Levi - Se Isto É um Homem

    Miguel TORGA - Novos Contos da Montanha

  • Quantos já espreitaram através da janela

    • 13,989 espreitadelas
  • Dezembro 2010
    M T W T F S S
    « Nov    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  

O escuro, as luzes, o Natal

Mais um ano, mais um Natal.

Se fizéssemos um brainstorming sobre o que é Natal, surgiriam respostas como: “alegria”, “nascimento de Jesus”, “paz”, “harmonia”, “presentes”, “família”, “acolhimento”, “comida”, etc.

Por vezes, sinto-me cansado dos Natais de hoje. Imaginem o que é ter uma dor de cabeça terrível e estar numa sala cheia de luzes, cores e barulhos.

Do Natal gosto mesmo é da noite e dia de Natal. É pena que isto represente apenas 3,3% (24 horas a dividir por 30 dias) de todo o “período de Natal” que teima em começar cada vez mais cedo.

Gosto de conhecer as tradições de sentir-lhes o pulso para as poder viver mais atentamente. O nascimento de Jesus tanto pode ter acontecido numa noite de Inverno como de Verão. Então porque raio celebramos o Natal ao frio, com chuva?

Não me sinto capaz de evocar todos os elementos que levaram a que se celebrasse esta festa na noite de 24 de Dezembro.

Como sabem, o Solstício de Inverno, que não tem data fixa (este ano é a 21 de Dezembro), é o momento do ano, no hemisfério norte, em que a noite é mais longa. A partir desse momento os dias começam a ser maiores. As tradições hindu e persa já celebravam este facto e o império romano celebrava-o na forma de “Sol Invictus”.

Os cristãos reconhecem em Cristo o Senhor da História e, portanto, tudo aconteceu e acontecerá em referência a Jesus. Naturalmente cristianizaram-se a maior parte das tradições pagãs. O simbolismo do Solstício é muito forte e os cristãos associaram-no ao nascimento do Deus feito menino. A luz sobrepõe-se às trevas.

Ora, se acenderem uma vela no meio de uma sala muito iluminada vão sentir a diferença? E quando acendem uma vela numa sala escura? Se esperarmos um pouco vamos conseguir ver o que quisermos.

É por isso que gosto das luzes de Natal, no Natal. Ajudam-me a sentir que mesmo nos momentos de maior escuridão Deus se torna presente e que os outros o anunciam (os amigos, a família, a música).

Resumindo e concluindo, descobri que gosto do Natal, mas no Natal. E não antes. Os Coldplay ajudaram-me “a ver a Luz” com a sua nova música “Christmas Lights”.

Uma resposta

  1. Muito obrigado y Feliz Natal a todos em Portugal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: