• Mail pessoal:

    MSN: tcasaleiro@hotmail.com GERAL: tcasaleiro@gmail.com
  • Janela através das letras… (livro na cabeceira)

    Livros académicos de pouco interesse...
  • Janela dos Livros L’Idos

    Era bom que trocássemos umas ideias sobre o assunto - Mário de Carvalho

    O nome da Rosa - Umberto Eco

    Os filhos da meia noite - Salman Rushdie

    Manhã Submersa - Virgílio Ferreira

    Clara Pinto Correia - Os Mensageiros Secundários

    Jean François-Steiner - Treblinka

    José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis

    Muhammad Yunus - Criar um mundo sem pobreza

    Arundhati Roy - O Deus das pequenas coisas

    George Orwell - 1984

    Primo Levi - Se Isto É um Homem

    Miguel TORGA - Novos Contos da Montanha

  • Quantos já espreitaram através da janela

    • 13,989 espreitadelas
  • Dezembro 2009
    M T W T F S S
    « Nov   Jan »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  

Pessoas diferentes!

No fundo todos somos pessoas diferentes. Temos em nós algo que nos distingue dos outros, que nos torna especiais. Assim, ser diferente é algo bom, saudável e desafiante.

Quando estamos perante uma pessoa com deficiência mental dizemos que é uma pessoa diferente. “Diferente” é o antónimo de “igual”. Ora se chamamos à pessoa com deficiência mental diferente é porque nós somos todos iguais!  E isso não é bom, saudável nem desafiante.

Fazemos parte da sociedade que se quer igual em tudo. Somos cópias uns dos outros e, pouco a pouco, vamos perdendo a alegria do mistério que é conhecer o Outro! Conhecemos o outro pelo que ele nos diz. Triste daquele que não conhece a sensação de fazer crescer uma amizade. A amizade é algo delicado, frágil e especial, que só existe quando duas pessoas diferentes se conhecem.

DIFERENTES!

Trabalhando numa instituição de pessoas diferentes (e já vimos que isto é bom, saudável e desafiante) tenho pensado muito sobre o tema da deficiência mental e a forma como a “história” tem tratado estas pessoas! E no fundo, vejo, tristemente, que actualmente trata com indiferença.

INDIFERENÇA!

Simplesmente esquecemo-nos deles, afastamo-los do nosso alcance visual (e, assim, da nossa vida) e vivemos estupidamente alegres (?) por não ver pessoas diferentes. No fim de contas, mantemos a ideia que somos imortais, perfeitos e IGUAIS!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: