• Mail pessoal:

    MSN: tcasaleiro@hotmail.com GERAL: tcasaleiro@gmail.com
  • Janela através das letras… (livro na cabeceira)

    Livros académicos de pouco interesse...
  • Janela dos Livros L’Idos

    Era bom que trocássemos umas ideias sobre o assunto - Mário de Carvalho

    O nome da Rosa - Umberto Eco

    Os filhos da meia noite - Salman Rushdie

    Manhã Submersa - Virgílio Ferreira

    Clara Pinto Correia - Os Mensageiros Secundários

    Jean François-Steiner - Treblinka

    José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis

    Muhammad Yunus - Criar um mundo sem pobreza

    Arundhati Roy - O Deus das pequenas coisas

    George Orwell - 1984

    Primo Levi - Se Isto É um Homem

    Miguel TORGA - Novos Contos da Montanha

  • Quantos já espreitaram através da janela

    • 13,989 espreitadelas
  • Dezembro 2008
    M T W T F S S
    « Nov   Jan »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  

Esta noite eu tive um sonho…

Aviso, desde já, que o título deste post nada tem a ver com a música pegadas na areia mas sim com um sonho que tive hoje

No final do sonho, quase como o final de uma missão ou de um objectivo cumprido, sentei-me junto à janela num banco confortável de um comboio. Não sei que destino teria este comboio…

Sei que numa determinada altura olhei pela janela e vi uma paisagem bastante semelhante a esta: (importa referir que nunca tinha visto esta imagem…)

comboio

Eis que me quedo a contemplar a cena [quase como um daqueles pseudo-intelectuais que vai para galerias de arte e que se detém horas a olhar para um quadro com uma risca (tipo Miró) e no fim diz: “isto sim é arte!!!”]. Estando imbuído nas minhas cogitações não dei conta de que me afastava desta paisagem. Nessa altura faço uma coisa altamente improvável, senão impossível: carrego num botão e obrigo o comboio a voltar para trás de forma a poder contemplar novamente tamanha grandiosidade da paisagem.

Contudo, e como seria de esperar, o comboio não ía vazio e um senhor começa a levantar a voz e a dar sinais “de pouca tolerância” face à situação. E aqui o “je”  (que tem fama e proveito de pouco tolerante) o que é que fez, perguntam vocês. Simplesmente sorri e pedi a este senhor, que se mostrava preocupado com tudo e no fim com nada, para se sentar e olhar a paisagem, tirando dela uma paz e serenidade que aparentava não ter.

Esta cena, um tanto ou quanto estranha, torna-se mais estranha para quem me conhece…

Se eu estivesse a ouvir esta história pela primeira vez poderia considerar que eu seria o homem rabugento…

Sinais de Mudança?

(o tema do comboio surge, provavelmente pela proximidade com a minha ida a Lisboa, para visitar familiares e amigos. SEXTA!!!!! Está quase!!!!)

Uma resposta

  1. Obrigada Tiago por nos deixares espreitar pela tua janela!
    Os nossos sonhos revelam o que temos “escondido” lá nnooo ffuuunnnndddddooooo !!!!
    A reflexão e análise que fazemos deles ajudam a compreendermo-nos melhor e, assim, crescermos.
    Sabes que contas comigo para continuar a acompanhar a tua caminhada!
    Cá te esperamos!!!!
    Bjs, SR

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: